FORMAÇÃO

“O Jogo teatral, as histórias e as emoções”
Formação pelo Teatro do Montemuro


Objectivos da formação
1-Transmitir / Partilhar conhecimentos e práticas teatrais adquiridos ao longo de mais de vinte anos de trabalho.
2- O Teatro do Montemuro tem a consciência de que não forma actores, mas estamos convencidos que podemos ensinar técnicas e deixar ferramentas para que num futuro possam desenvolver individualmente ou colectivamente um trabalho mais aprofundado na Expressão Dramática.
4-Na formação será sempre feita uma abordagem à música, essencialmente os ritmos, para perceber melhor um pouco o ritmo de cada um.
6- Pretende –se explorar elementos de como criar uma peça. Fazer uma pequena abordagem aos estilos. A ideia passa por nós mostrarmos e em seguida serem os formandos a faze-lo, para que possam descobrir e escolher o estilo que melhor se identifique a cada um.
Estilos a abordar na Formação:
Teatro Gestual – Um teatro mais aberto, mais de fora para dentro, onde o corpo tem uma função importante na criação de personagens, principalmente os mais grotescos.
Teatro da Máscara – Teatro técnico essencialmente mais direccionado para a comédia Dell´Arte. O uso da máscara obriga-nos a uma rigidez técnica que vai normalmente contra os nossos instintos. É utilizada para criarmos outros seres humanos diferentes, mas também credíveis.
Teatro de Emoções – É onde o trabalho da personagem vai ao pormenor. Toda a história que não se conta, vai ajudar o actor a criar e a fazer com que a personagem, reaja a diferentes situações, com sinceridade, com emoções que o momento propõe e principalmente com verdade. Aqui a técnica fica um pouco de lado, para que o actor se exprima naturalmente, sentindo de facto que toda a atmosfera o leve a reagir assim.
Criação de histórias - Como ponto de partida podemos trabalhar num conto tradicional da região, como podemos partir do nada.

Calendário da Formação
A formação terá a duração que melhor responder ás necessidades de quem pretende desenvolver. O orçamento será feito de acordo com o plano proposta à companhia.
Formadores
Abel Duarte nasceu e cresceu na aldeia de Campo Benfeito. É actualmente o Director de Cena da Companhia e actor desde1998 em todas as produções levadas a cena pela estrutura. Em termos da sua formação destaca o Workshop em Direcção de Cena com o Dr. Jonas Omberg; o Curso de formação em Artes do Espectáculo e o Curso de Teatro e Animação. Como actor teve o privilégio de participar no espectáculo da Companhia belga LAIKA “Peep&Eat” no âmbito do projecto PERCURSOS organizado pelo CCB e participou também no projecto “Hotel Tomilho” com a mesma companhia belga. É também da sua responsabilidade a Montagem de exposições; Desenvolvimento de Ateliers e workshops com escolas e Associações e a função de Frente de Casa do Festival Altitudes. Participou recentemente nos workshops promovidos pela companhia nas áreas da “Percussão”com Carlos Adolfo, “Movimento” com Madalena Vitorino, “Técnica da Máscara” com Nuno Pino Custódio e “Manipulação da Marioneta” com Andrew Purvin.

Eduardo Correia, nascido no ano de 1968 é desde 2004 Diretor Artístico do Teatro do Montemuro do qual é um dos fundadores Nas inúmeras áreas que desenvolve, destaca-se o trabalho como ator, tendo participado em quase todas as produções da companhia.Durante estes 22 anos ligado à criação artística teve a oportunidade de trabalhar com diferentes dramaturgos, encenadores, cenógrafos, figurinistas, diretores musicais etc . Teve uma breve passagem pelo cinema com a adaptação da peça de teatro “ Lobo Wolf” Participou em varias acções de formação que vão desde a caracterização, passando pela comédia D`ell Arte, Clown, movimento, escrita criativa, percussão entre muitas outras. A experiência que foi adquirindo ao longo do tempo empurrou-o paulatinamente para outros desafios, apostando na encenação, no trabalho como formador mas principalmente na dramaturgia, criando peças contemporâneas, baseando-se na universalidade das coisas para depois transporta-las para o seu próprio universo. Valorizando a singularidade da língua Portuguesa e preservando a sonoridade das palavras enquanto veículo narrativo. Textos como o “Amor” 2oo5, “Viagem dos sentidos “2009, “Perdido no Monte” 2010, “A voz que não se ouve” 2012 são algumas das obras que demonstram o seu investimento como autor.

Paulo Duarte, nascido a 20 de Janeiro de 1972 na aldeia de Campo Benfeito é um dos fundadores do Teatro Regional da Serra do Montemuro. Exerce as funções neste momento de Diretor Financeiro, Técnico e é um dos atores permanentes da companhia. Desde 1996 que é o responsável pelo design de luz dos projetos da companhia. Como ator, desde 1995 que têm participado em quase todas as produções, tendo adquirido muita experiência ao longo destes anos derivada a enorme diversidade dos projetos e de encenadores que já passaram por Montemuro. Workshops na arêa de Clown, técnicas de Máscara (Comedia d’el arte), técnicas de Voz e Texto e Precursão, têm contribuído para o seu crescimento como ator. Tendo tido também formação em sonoplastia, lumino-têcnico, artes de espectáculo, técnicas de circo, teatro e animação cultural passando por curso de electricista. Faz parte da organização do Festival Altitudes desde 1998. Um dos seus principais objetivos profissionais passa por a encenação. A sua primeira experiência foi em 2006 com o projeto “Qaribó”, em 2008 efetuou outro trabalho de encenação no projecto “Sem Sentido” com um grupo escolar, esse trabalho desenvolveu-se nos dois anos seguintes num outro projeto com os mesmos objetivos mas com o nome “Viagem dos Sentidos”. Em 2011 fez a encenação do projeto “Remendos” e já em 2012 a co-encenação do projeto “O Gigante”.


NOTAS IMPORTANTES
N.º de participantes – mínimo de 10 e máximo de 20
Trazer roupa confortável
O Teatro do Montemuro atribuiu no final da formação um certificado de participação.